José Meciano Filho

Professor

Professor Assistente Doutor do Departamento de Biologia Estrutural e Funcional da UNICAMP, desde 1980, atuando como pesquisador e professor nos cursos de graduação em Medicina e Educação Física e nos cursos de Pós-graduação em Neuropsicológica, Psicomotricidade e Reabilitação Neurológica Infantil. Professor Titular do Centro de Ciências da Vida da Pontifícia Universidade Católica de Campinas – PUC-Campinas, desde 1981, atuando como pesquisador e Professor nos cursos de Ciências Biológicas, Farmácia, Fonoaudiologia, Medicina, Nutrição, Odontologia, Psicologia e Terapia Ocupacional.

Construindo Instrumentos de Avaliação de Acordo com os Princípios da Neurociência
Após apresentação das áreas cerebrais envolvidas no processo de aprendizagem e destacar a importância do instrumento de avaliação nos processos cognitivos, os educadores serão orientados a trabalhar na construção de instrumentos de avaliação de acordo com os princípios da neurociência*. *O modelo de avaliação apresentado é uma versão neuropedagogica, adaptada pelo Prof. Dr. José Meciano Filho – Nino, baseada na classificação funcional das áreas corticais de A.R. Luria e no índice Taxonômico de B. Bloon e tem por finalidade estimular as áreas cognitivas para atender ao proposto nos modelo atuais de avaliação – SAEB; SARESP; Prova Brasil; Provinha Brasil; ENEM; Pisa e ENADE.
Neurociência como Agente Facilitador da Aprendizagem
“Ensinar não é transmitir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou construção.” Paulo Freire Objetivo Essa palestra tem por finalidade apresentar para os professores as três áreas funcionais do córtex cerebral envolvidas no processamento cerebral, de acordo com a classificação de A. R. Luria, envolvidas no processo de aprendizagem, bem como o funcionamento de cada uma delas. Abordagem Preocupados em pesquisar o melhor e o mais agradável método do cérebro registrar as informações, os pesquisadores em neuroaprendizagem, tem demonstrado que quando a transmissão de conhecimentos se faz de maneira agradável, curiosa e com emoção se torna mais fácil aprender. Com certeza, poderão ensinar melhor os educadores que sabem como ocorre o processamento cerebral e o registro das informações. Abordamos ainda quais são e quando ocorrem as modificações neuronais relacionadas com a aprendizagem – Plasticidade Neuronal. “Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende” Leonardo Da Vinci
Ensinando e Aprendendo com Prazer: a Neurociência Entra em Ação
“Fale e eu esquecerei. Ensine-me, e eu poderei lembrar. Envolva-me, e eu aprenderei.” Benjamin Franklin Objetivo Essa palestra tem por finalidade apresentar as estruturas cerebrais envolvidas com o prazer e motivação. Propor ações, atitudes comportamentais e estratégias pedagógicas, a serem aplicadas para a motivação dos alunos e consequentemente melhorar e facilitar o trabalho dos professores. Abordagem Estudos demonstram que entre os profissionais liberais o professor é o que apresenta a autoestima mais baixa. A motivação é resultante de uma necessidade interna ou externa que desperta certo comportamento. Graças à motivação necessidades se transformam em objetivos, planos e projetos. Quando se está feliz o sistema nervoso produz substâncias químicas, que atuam estimulando estruturas cerebrais desencadeando sensação de prazer e protegendo nosso organismo contra doenças. Por isso o professor deve estar MOTIVADO e EMOCIONALMENTE envolvido com suas atividades pedagógicas e com seus alunos, transmitindo seus conhecimentos eficientemente e com emoção e envolvimento. Como a motivação/ felicidade pode influenciar a saúde do professor. “Tudo que dá alegria aprender, a memória auxilia.” Johann Amos Comenius
Utilizando a Neurociência na Produção de Instrumentos de Avaliação
“O sábio não é o homem que fornece as verdadeiras respostas; é quem faz as verdadeiras perguntas.” Claude Lévi – Strauss Objetivo Essa palestra tem por finalidade apresentar para os professores a importância da avaliação no processo de ensino aprendizagem, orientar a construção de instrumentos de avaliação de acordo com os princípios da neurociência*, para melhor estimular as áreas cerebrais envolvidas com os processos cognitivos. Abordagem Estudos demonstram que não basta uma boa aula, para um bom aproveitamento/aprendizagem, o professor deve elaborar uma avaliação que estimule a cognição e criatividade dos alunos. Abordaremos também os cuidados a serem observados no momento da aplicação da avaliação, da analise dos resultados e a discussão dos resultados, a maneira correta de elogiar os alunos que se saíram bem e como motivar/ estimular aqueles que não conseguiram um resultado satisfatório. *O modelo de avaliação apresentado é uma versão neuropedagogica, adaptada pelo Prof. Dr. José Meciano Filho – Nino baseada na classificação funcional das áreas corticais de A.R. Luria e no índice Taxonômico de B. Bloon e tem por finalidade estimular as áreas cognitivas para atender ao proposto nos modelo atuais de avaliação – SAEB; SARESP; Prova Brasil; Provinha Brasil; ENEM; Pisa e ENADE. “O aprendizado ideal deve ser: com a cabeça, coração e as mãos.” Johann H. Pestalozzi
O Acolhimento na Escola, à Formação do Apego e o Desenvolvimento Infantil
Acolhimento e motivação na saúde do educador e educando. A saúde do educando depende da saúde do educador. Objetivo Essa palestra tem por finalidade apresentar e discutir com as cuidadoras e educadores, a importância do acolhimento não só na transmissão da segurança para a criança, mas também como o acolhimento influencia na saúde, no desenvolvimento psíquico e estrutural do sistema nervoso. Abordagem A neurociência têm demonstrado cada vez mais a importância do meio ambiente e sua interação, na relação entre o desenvolvimento de um sistema nervoso saudável do ponto de vista estrutural e funcional (psíquico). Para que a interação educador/educando seja saudável, o professor precisa estar motivado para acolher e ensinar. A chave do aprendizado não esta relacionado somente com o que é ensinado, mas em quem o ensina e como ensina. “Não aprendemos com qualquer um, aprendemos com aquele a quem outorgamos confiança e o direito de ensinar.”
Construindo uma Nova Relação: a Escola e a Família/Aluno para um Futuro Melhor
“É preciso uma aldeia para educar uma criança; e não só a escola.” Provérbio africano Objetivo Essa palestra tem por finalidade apresentar aos pais, professores e alunos – a importância do trabalho conjunto, representado pelo binômio família / escola, que pode contribuir para a formação do perfil emocional dos estudantes, com consequente melhora no desempenho escolar e como isso pode ajudar a superar as barreiras socioeconômicas futuras do aprendiz e de sua família. Abordagem A importância do acolhimento do aluno pela escola e do acolhimento da escola e professores pela família e aluno, para uma relação saudável.No conteúdo de nossa fala abordaremos também a importância do acolhimento no desenvolvimento do sistema nervoso e na formação da personalidade.
Avaliação não Formal
“A tarefa essencial do professor é despertar a alegria de trabalhar e conhecer.” Albert Einstein Objetivo De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases – LDB, em seu artigo 36, “a escola poderá adotar a metodologia de ensino e de avaliação que estimulem a iniciativa dos estudantes.” Essa palestra tem por finalidade apresentar aos professores outras formas de avaliação, teatro, produção de texto, portfólio, histórias em quadrinho, musica entre outras. Abordagem Considerando que para os estudantes, pertencentes às gerações Y e Z, os métodos formais de ensino e avaliação não são bem aceitos, essa palestra tem por finalidade, apresentar outras formas de avaliação, que vão desde modificações das formas tradicionais até formas mais lúdicas, respeitando as habilidades dos alunos, enfatizando suas competências e habilidades, procurando desmistificar os processos de avaliação, sem deixar de fazer uma interface com os conhecimentos de neurociência da construção do conhecimento. “Não se avalia a eficiência de um professor pelo que ela faz; mas com base no que seus alunos fazem.” Howard Hendricks
Neurociência: da Teoria à Prática nas Ações da Educação Infantil e Anos Iniciais.
Após apresentação das áreas cerebrais envolvidas no processo de aprendizagem Nessa palestra apresentamos às áreas cerebrais envolvidas no processamento das informações e como elas são registradas pelo cérebro do aprendiz e como as atividades desenvolvidas na sala de aula podem estimular a neuroplasticidade. Comentamos e discutimos como e o local no córtex cerebral onde ocorre as atividades neurais relacionadas a algumas práticas pedagógicas tais como – caixa tátil, discriminação sensorial tátil, auditiva, jogo dos sete erros e sequencia logica entre outras. “Se a gente quiser modificar alguma coisa, é pelas crianças que devemos começar, por meio da educação.” Airton Senna
Metodogia Ativa
“Tolice é fazer as coisas sempre do mesmo jeito e esperar resultados diferentes.” Albert Einstein Não é incomum ouvirmos a frase: “Ah, os alunos de hoje não são mais os mesmos…” “É claro que os alunos de hoje não são mais os mesmos. Mas, essa expressão pode indicar certa distorção pedagógica. Afinal, alguém diz isso e, ainda, continua dando aula do mesmo jeito que dava há 10 ou 15 anos? Se os alunos não são mais os mesmos, se o mundo não é mais o mesmo, como fazer do mesmo modo?” Mario Sergio Cortella Na sociedade do conhecimento, o ensino precisa ter como objetivo o desenvolvimento da capacidade de pensar e de aprender. Nos diferentes modelos de metodologia ativa – Ensino baseado em problemas, Ensino baseado em evidencias, Aprendizado cooperativo e Aula invertida, o aluno deve ser o sujeito/ ator no processo de aprendizagem, participando efetivamente na construção de seu conhecimento. Essa metodologia esta de acordo com os resultados das pesquisas mais recentes em neuroaprendizagem, onde se estudou a metodologia educacional utilizada na sala de aula e a satisfação e aprendizagem dos estudantes. Esse modelo de ensino tem sido utilizado pelas principais instituições de ensino, pois ela ensina o aluno a pensar e resolver problemas e propor novas soluções. Falaremos também como a ação dedutiva na sala de aula pode influenciar na estrutura cerebral; neuroplasticidade cognitiva. As estruturas cerebrais envolvidas com o prazer e as ações na sala de aula para a motivação dos alunos bem como a importância do ambiente na ação do sistema nervoso autônomo durante a avaliação. “Um raciocínio lógico leva você de A a B. Imaginação leva você a qualquer lugar que você quiser.” Albert Einstein
Trabalhando com Prazer: a Neurociência Entra em Ação. “Trabalho Bem isso me faz Bem."
Quem tem mais chances de dar certo profissionalmente; O inteligente ou o motivado? Objetivo Essa palestra tem por finalidade apresentar as estruturas cerebrais envolvidas com o prazer e motivação. Propor ações, atitudes comportamentais e estratégias, a serem aplicadas para a motivação dos gestores e consequentemente melhorar e facilitar o trabalho juntos aos seus funcionários e alunos no caso dos professores. Abordagem No passado bastava ser respeitado para ser líder. Atualmente, não é bem assim. Queremos líderes inspiradores, inovadores, educadores e carismáticos. Um dos fatores que torna mais fácil a ação de liderança e o envolvimento dos liderados em suas atividades é a MOTIVAÇÃO. O que é a motivação? A motivação é gerada por um conjunto de fatores. Ela é resultante de uma necessidade interna ou externa que desperta certo comportamento. Graças à motivação necessidades se transformam em objetivos, planos e projetos. A motivação está em conseguir conciliar a vida pessoal com as atividades profissionais sem prejuízo a nenhum dos dois aspectos, executando um trabalho que permita atingir meu objetivo e cujo resultado me traz a satisfação do dever cumprido. Por isso o profissional deve estar MOTIVADO e EMOCIONALMENTE envolvido com suas atividades, atuando, transmitindo seus conhecimentos eficientemente com emoção e envolvimento – neuroliderança. Como a motivação/ felicidade pode influenciar a saúde do profissional? Quando se está feliz (de bem com a vida e com o trabalho) o sistema nervoso produz substâncias químicas, que atuam estimulando estruturas cerebrais desencadeando sensação de prazer e protegendo nosso organismo contra doenças, por isso eu ganho se trabalhar bem.